Breno Garibalde protocola Projeto de Lei que proíbe arquitetura hostil em Aracaju – Imprensa 24h

imagem28-05-2022-14-05-38imagem28-05-2022-14-05-38 O vereador Breno Garibalde, que também é arquiteto e mestre em urbanismo, protocolou nesta sexta (8), na Câmara Municipal de Aracaju, um Projeto de Lei proibindo a prática da arquitetura hostil na capital sergipana. O parlamentar vem chamando atenção sobre esse tema durante toda a semana, em suas redes sociais.

“Protocolamos este PL com o objetivo de promover mais igualdade e liberdade das pessoas nos espaços públicos. A arquitetura hostil se coloca acima do que a população quer, ela afasta as pessoas. Bancos com divisão no meio, tachinhas, piquetes e grades embaixo de marquises, grades e espetos nas muretas. Esses elementos inseridos nos locais (privados ou públicos) são práticas que tornam a cidade desumana e mostram um desprezo enorme pelas pessoas, principalmente aquelas em situação de pobreza, que é o que chamamos de aporofobia”, destacou Breno.

imagem28-05-2022-14-05-42imagem28-05-2022-14-05-42

Para o vereador, Aracaju está bem melhor do que algumas capitais neste sentido, mas ainda assim encontram-se diversos exemplos da arquitetura hostil.

“A cidade deveria ser um espaço confortável, onde todos tivessem acesso aos direitos fundamentais (moradia, trabalho, comida), mas infelizmente não é assim. As pessoas em situação de rua e moradores de rua, além de não terem esses direitos garantidos, ainda sofrem com a hostilidade dos espaços”, afirmou o vereador.

O tema reforça o fato de que as cidades não são pensadas para todas as pessoas e esse tipo de arquitetura acaba determinando a exclusão de grupos sociais.

“Sei que é um tema polêmico, mas a gente precisa falar sobre isso. Se não tivermos conhecimento não teremos condições de perceber e nos manifestarmos. Precisamos estar atentos à cidade, cobrar melhorias e reivindicar o direito que todas as pessoas têm de permanecer no espaço urbano com dignidade”, finalizou o parlamentar.

Foto: Gilton Rosas

Relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *